quinta-feira, janeiro 18, 2018

December lights...

Foto de edifícios e monumentos. / Buildings and monuments in photos.

Aqui em casa, as decorações de Natal, já foram devidamente arrumadas...
Aqui no blog... apetece-me que o Natal continue... fora da caixa, só mais um pouquinho...
Deixo-vos uma imagem, do passado mês de Dezembro, da Praça do Comércio, em Lisboa.
E aqui fica a minha sugestão musical, para hoje... André Rieu & 150 Dancers - Lara's Theme & Light Cavalry.
Foto de Ana Freire.
"Tu que dormes à noite na calçada do relento
numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento
és meu irmão, amigo, és meu irmão

E tu que dormes só o pesadelo do ciúme
numa cama de raiva com lençóis feitos de lume
e sofres o Natal da solidão sem um queixume
és meu irmão, amigo, és meu irmão

Natal é em Dezembro
mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
é quando um homem quiser
Natal é quando nasce
uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto
que há no ventre da mulher

Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
tu que inventas bonecas e comboios de luar
e mentes ao teu filho por não os poderes comprar
és meu irmão, amigo, és meu irmão

E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
és meu irmão, amigo, és meu irmão."
(JOSÉ CARLOS ARY DOS SANTOS, 1937 - 1984; "Quando um Homem Quiser" in "As Palavras das Cantigas").

Aqui em casa, as decorações de Natal, já foram devidamente arrumadas... Aqui no blog... apetece-me que o Natal continue... fora da caixa, só mais um pouquinho... / Here at home, the Christmas decorations, have already been properly packed and have gone back to the closet... Here on the blog... I like to see Christmas... still out of the box, for a little while longer...
Luzes de Dezembro... / December lights...
"You, who sleep at night on the sidewalk
In a rainy bed with sheets made of wind
You, who have the Christmas of solitude, of suffering
You are my brother, friend
You are my brother

And you, who sleep only in the nightmare of jealousy
In a bed of rage with sheets made of fire
And suffer a Christmas of loneliness whitout a whine
You are my brother, friend
You are my brother

Christmas is in December
But in May it can also be
Christmas is in September
It's whenever a man wants
Christmas is when a life is born at dawn
Christmas is always the fruit that is in the womb of a woman

You, who invent tenderness and toys to give
You who make up dolls and moonlight trains
And who lie to your child because you can not buy them
You are my brother, friend
You are my brother

And you, who see the in the store window your hunger that I do not know
Slices of sadness in every joyful king cake
You put a bitter taste in every candy I have bought
You are my brother, friend
You are my brother"
(JOSÉ CARLOS ARY DOS SANTOS, 1937 - 1984; "Whenever a man wants" in "As Palavras das Cantigas").

Here at home, the Christmas decorations, have already been properly packed and have gone back to the closet...
Here on the blog... I like to see Christmas... still out of the box, for a little while longer...
I leave you an image, from last December, of the Commerce Square, in Lisbon.
And here it stays the link, with my musical suggestion for today... André Rieu & 150 Dancers - Lara's Theme & Light Cavalry. (See it above, on this post).
Photo by Ana Freire.


sábado, janeiro 13, 2018

Phosphorescence...

Fotos de objectos. / Objects in photos.

Vivemos num mundo tão habituado à falta de verdade... que a sinceridade, é vista como arrogância, distúrbio ou vaidade.
Já a traição, e a falsidade... tornaram-se modalidade... para aperfeiçoar e praticar... e distribuir pelo próximo... com convicção, atitude e qualidade...
Deixo-vos o link, com a minha habitual sugestão musical... e para hoje... Francisco Garcia (Wonderful Guitar Music) - What's a Woman.
Foto de Ana Freire.
"Queria o homem esquecer a mulher,
mais que a mulher, esquecer a traição.
Refugiou-se o homem no seu jardim,
junto às roseiras, com suas penas.

Com ardor, às roseiras dedicou-se,
amor e alma, seu único horizonte.
Fez o seu mundo de perfume e cor,
paraíso de rosas e roseiras.

Dizem que perfume e viço das rosas
deviam-se só ao sangue do homem -
doação de amor, sua recompensa
às rosas vermelhas do roseiral.

O que diziam, a pura verdade:
a fosforescência do roseiral,
mistério das rosas no breu da noite,
planeta de sonhos do jardineiro.

Numa dessas tardes frias de inverno,
encontraram o corpo entre as roseiras.
Sem vida o homem, naquele roseiral,
tinha presas nas mãos rosas vermelhas."
(PEDRO LUSO DE CARVALHO, do Blog Veredas).

Estarei ausente mais alguns dias, pelo facto de alteração dos meus serviços de net, televisão e telefones, aqui no meu poiso habitual... aproveitando eu para mudar alguns equipamentos... o que sempre deixa a minha paciência... um bocadinho fosforescente... efervescente... e ao rubro... enquanto não estiver tudo, exactamente como desejo... e operacional... :-)

Vivemos num mundo tão habituado à falta de verdade... que a sinceridade, é vista como arrogância, distúrbio ou vaidade. Já a traição, e a falsidade... tornaram-se modalidade... para aperfeiçoar e praticar... e distribuir pelo próximo... com convicção, atitude e qualidade... / We live in a world so used to the lack of truth... that sincerity is seen as arrogance, vanity, or disturbance. Already betrayal and falsehood... became modality, to practice and to improve... to be distribute to others... with conviction, quality and attitude...
Fosforescência... / Phosphorescence...

"He wanted to forget the woman,

more than the woman, wanted to forget the betrayal.
He took refuge in his garden,
next to the roses, with his sorrows.

With passion, he devoted to the roses himself,
with love and soul. His only horizon.
He made of perfume and color, his world,
a real paradise, in his rose garden.

It is said that the scent and freshness of the roses
it was due only to the blood of the man -
his giving of love and reward
to the red roses of his garden.

They said, the plain truth:
the phosphorescence of the rose garden,
a true mystery in the dark nights,
was the gardener's dream planet.

On one of those cold winter afternoons,
His body was found among the rosebushes.
Without life, in that rose garden,
the man had red roses in his hands."
(PEDRO LUSO DE CARVALHO, from Blog Veredas).

We live in a world so used to the lack of truth... that sincerity is seen as arrogance, vanity, or disturbance.
On the other way, betrayal and falsehood... became modality, to practice and to improve... to be distribute to others... with conviction, quality and attitude...
Here it stays the link, with my musical suggestion for today... Francisco Gracia (Wonderful Guitar Music) - What´s a Woman. (See it above, on this post).
Photo by Ana Freire.


sexta-feira, janeiro 05, 2018

Time reflections...

Fotos de edifícios e monumentos. / Buildings and momuments in photos.

Talvez não exista, o tempo... mas apenas o seu reflexo em nós... momento a momento...
Aqui vos deixo o link, com a minha sugestão musical de hoje... Era - Looking For Something.
Foto de Ana Freire.
"Não tenho pressa de viver. Vivo cada dia, milimétricamente, à minha maneira." (DIANA FONSECA, do blogue A Vida de Diana, a quem agradecemos o convite, para um chá muito especial... ora vejam aqui).
Talvez não exista, o tempo... mas apenas o seu reflexo em nós... momento a momento... / It may not exist, the time... but just its reflection in us... moment by moment...
Reflexos do tempo... / Time reflections...
"I have no hurry to live. I live every day, millimetrically, on my own way." (DIANA FONSECA, from the blog A Vida de Dianato whom we thank a very special invitation... as you can see here).
Time may not exist... just its reflection in us... moment by moment...
Here it stays the link, with my musical suggestion for today... Era - Looking For Something. (See it above on this post).
Photo by Ana Freire.


terça-feira, janeiro 02, 2018

Starting 2018...

Selfies.

E por aqui... sem atropelos, nem correrias... iniciamos 2018.
Que o vosso objectivo para este ano... não seja apenas, e só, contar o número de vitórias alcançadas... mas contar quantas vezes puderam dizer para vocês mesmos...  em plena consciência... "Hoje... fui uma boa pessoa!".
Que a verdade e a autenticidade do vosso percurso, jamais se perca em nome da ambição, vaidade, egoísmo ou falta de humildade...
Um bom ano para todos!
E aqui fica o link, com a minha primeira sugestão musical, deste ano... Ed Sheeran - Perfect.
Foto de Ana Freire.
"O caminho é mais importante do que a caminhada." (CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE, 1902 - 1987).
E por aqui... sem atropelos, nem correrias... iniciamos 2018. Que o vosso objectivo para este ano... não seja apenas, e só, contar o número de vitórias alcançadas... mas contar quantas vezes puderam dizer para vocês mesmos...  em plena consciência... "Hoje... eu fui uma boa pessoa!". / And here... without haste ... we started 2018. May your goal for this year be not only counting the number of victories achieved... but far more important than that, be able to count the number of times that you can say to yourself... in full consciousness... "Today, I was a good person!".
Começando 2018... / Starting 2018...

"The journey is more importante than the destination." (CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE, 1902 - 1987).
And here... without haste... we started 2018.
May your goal for this year be not only counting the number of victories achieved... but far more important than that, be able to count the number of times that you can say to yourself... in full consciousness... "Today... I was a good person!".
May the truth and authenticity of your journey not be lost in the name of ambition,  vanity, selfishness or lack of humility...
I wish you a good year!
And here it stays the link, with my first musical suggestion, of this year... Ed Sheeran - Perfect. (See the link above, on this post).
Photo by Ana Freire.